Depois da dieta, beleza!

Gente,

Nada a ver com dieta, mas queria compartilhar com vocês minha experiência com a Glossybox (www.glossybox.com.br). Sim, porque dieta e beleza andam juntinhas.

Mas o que é a Glossybox? É um serviço onde, por assinatura (mensal, semestral…), você recebe todo o mês uma caixa com amostra grátis de produtos. Ideia show!

Recebi minha primeira caixa semana passada, mas tive alguns probleminhas antes. Eles haviam cobrado o segundo mês e eu não tinha recebido a primeira caixa :(

Entrei em contato por email – a resposta demoooora! Eles responderam de forma padrão, e não a minha pergunta (ponto negativo). Mas em três dias, a caixa chegou (ponto positivo).

Adorei o cuidado com a caixa, a beleza e que estava nela!

Dentro da caixa, vem um cartão incentivando a dar um feedback dos produtos da Glossybox. Lé fui eu, super feliz, fazer isso e … O site acusa que eu não tenho caixas – logo, não tenho produtos – para opinar.

Enfim, ideia boa, produtos de qualidade, mas a Glossybox pode, agora, investir em infra para que o pós seja melhor!

Se eu vou continuar com o serviço? Vou sim, porque acredito na ideia de poder experimentar antes de comprar produtos – eu AMOOOOO um produtinho de beleza! Tanto que já me inscrevi na lista para a Glossybox Premium. Mas, Glossybox, isso é um voto de confiança, hein! Não decepcione! :)

Depois falo da próxima caixa, com detalhes dos produtos!

Magra, Poderosa e inútil!

 Encontrei uma dica de livro na Boa Forma do mês passado: Magra e Poderosa. O título não poderia ser mais convidativo. Descobri que o livro foi campeão de vendas depois da ex-Spice Girls, Victoria Beckham ser fotografada com um exemplar na mão; que o título original é Skinny Bitch – nada a ver com Magra e Poderosa, mas seria um indício de uma leitura, no mínimo engraçada. No meio dessa busca por mais informações, descobri também que o livro falaria das vantagens de uma dieta vegan (100% vegetariana). Para uma carnívora de carteirinha, abria-se a porta para uma experiência interessante.


Corri para o site que vendia o livro mais barato (os milagres das compras online) e pedi um exemplar para entrega imediata.

O livro já começou estranho. São duas páginas de agradecimentos!!! Passei pela Introdução (sim, depois dos agradecimentos, há a Introdução!!), pelo primeiro e pelo segundo capítulos sem muita novidade. Eles falam dos nossos vícios alimentares, dos carboidratos simples e o horror que eles são (já achei um exagero, mas… ) e da necessidade de optarmos por frutas. No news! Cheguei no terceiro capítulo e levei um susto com o título “Açúcar é coisa do diabo”. Os próximos capítulos não foram menos assustadores – Carne podre e O desastre dos laticínios.

Daí para frente (e são 13 capítulos) a coisa desanda! O livro beira o absurdo e mistura lições de auto-estima, meia dúzia de dicas para alimentação saudável com capítulos inteiros sobre a crueldade com que se abate animais e sobre a política de aprovação de alimentos e vigilância sanitária dos Estados Unidos.

Mesmo sendo uma carnívora invicta, acredito que quem adota uma dieta vegan tem seus motivos e suas crenças e teria sido muito interessante entender mais sobre esse estilo de vida. Mas as autoras – uma ex-agente da Ford Models e uma ex-modelo, doutora em nutrição holística (hahaha) – não acrescentam, não agregam. O mantra do livro se concentra em: coma só vegetais e seja magra. Depois de 155 páginas, não consegui extrair uma única informação nova, diferente e nem que fosse minimamente útil.

Admito que essa linha editorial – dietas e exercícios – publica muitas coisas inúteis. Ok! A grande maioria o é e sei disso porque, mesmo ciente, sempre dou um jeito de ler. Mas sempre há algo que se aproveite: uma informação nova, um exercício, uma tabela de nutrientes… Nesse livro, o que se aproveitaria seria um cardápio para 30 dias que é apresentado quase no final do livro. Mas, para seguir um cardápio, você precisa se encantar por ele e o livro não produz esse efeito. Então, cheguei a esse capítulo sem a mínima vontade, interesse nem mesmo curiosidade para seguir o cardápio – inútil!

Depois de tudo isso, meu conselho não seria diferente: não gaste seus olhos e seu dinheiro com Magra e Poderosa. É decepcionante!

ps.: se eu lesse uma crítica dessas, com certeza, correria para ler o livro. Não vou condenar ninguém que faça isso. Mas não digam que eu não avisei!

Enxugue o ponto certo

Você quer enrijecer os braços, chapar a barriga ou afinar as coxas? Selecionamos um programa em que se pode atacar somente um desses alvos ou todos eles de uma só vez. Será um mês de determinação, mas que vai fazê-la rir à toa durante todo o verão

Da Revista Dieta Já
É dificílimo encontrar uma mulher que esteja satisfeita com seu corpo. Mesmo porque nós sempre queremos melhorar alguma coisa. E com a estação dos corpos à mostra se aproximando, bate aquele desespero de não estar com tudo em cima. Claro que para dar tchau sem medo, desfilar um abdômen lisinho e contornar as coxas, além de seguir o plano abaixo à risca, é ideal fazer uma alimentação balanceada e 30 minutos, no mínimo, de atividade aeróbica (pode ser caminhada, bicicleta, corrida ou outra) para potencializar os resultados. Segundo o professor de Educação Física Carlos Eduardo Teófilo, da Academia Bio Ritmo, em São Paulo, o programa destinado às duas primeiras semanas é fundamental para criar resistência muscular e adaptação a um treino mais forte, que será realizado a partir da terceira semana. Então, não espere e comece já a mudar o seu corpo!

Coxas no foco

DESENHE OS MÚSCULOS (a e b)
De pé, pernas afastadas – uma na frente e outra atrás, com um passo de distância entre elas -, pesos nas mãos paralelos ao tronco, flexione as duas, levando a de trás em direção ao chão até formar um ângulo de 90º e volte para a posição inicial. Troque as pernas e repita tudo de novo. Lembre-se que o joelho da perna de trás nunca encosta no solo.

A PARTIR DA TERCEIRA SEMANA (c e d)
Para potencializar o treino, faça o mesmo movimento de agachamento, com o avanço. Ou seja, você realiza o afundo (a e b), só que, quando retorna à posição original, alterna as pernas e faz o movimento de vai-e-vem.

André Jackson

Programa para quatro semanas
PRIMEIRA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 3 kg
SEGUNDA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 3 kg
TERCEIRA (c e d) 4 séries de 20 repetições, com peso de 5 kg
QUARTA (c e d) 4 séries de 20 repetições, com peso de 5 kg

A hora e a vez de dar tchau

REME, REME…
De pé com tronco e pernas semiflexionados, dobre os cotovelos formando um ângulo de 90º e puxe-os em direção ao teto, passando da linha do tronco, e retorne.

André Jackson

Programa para quatro semanas
PRIMEIRA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 4 kg
SEGUNDA a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 5 kg
TERCEIRA (a e b) 4 séries de 20 repetições, com peso de 5 kg
QUARTA (a e b) 4 séries de 20 repetições, com peso de 5 kg

AVANTE E PARA O ALTO (a e b)
Deitada de costas com as pernas flexionadas, com os cotovelos em 90º (segure os halteres com as mãos, deixando-os na linha da testa). Estenda simultaneamente os braços e volte.

A PARTIR DA TERCEIRA SEMANA (c e d)
Em quatro apoios, com o abdômen contraído, braços na linha dos ombros, flexione-os (levando o torço de encontro ao chão) até o cotovelo chegar na linha do tronco e suba de novo.

André Jackson

Programa para quatro semanas
PRIMEIRA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 3 kg
SEGUNDA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 4 kg
TERCEIRA (c e d) 4 séries de 15 repetições, sem peso
QUARTA (c e d) 4 séries de 15 repetições, sem peso

QUEIME A PARTE INTERNA
Deitada de lado, mantenha o braço (de baixo) estendido para dar equilíbrio. O outro pode ficar à frente do corpo (por ser mais confortável). Flexione a perna de cima e apóie o pé no chão, enquanto a de baixo fica estendida. Eleve a perna (de baixo) à altura do joelho da outra e retorne até quase encostar no chão. Vire e repita do outro lado.

André Jackson

Programa para quatro semanas
PRIMEIRA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 2 kg
SEGUNDA (a e b) 3 séries de 20 repetições, com peso de 3 kg
TERCEIRA (a e b) 4 séries de 20 repetições, com peso de 4 kg
QUARTA (a e b) 4 séries de 20 repetições, com peso de 4 kg

Em busca do abdômen tanquinho

SEQUE A BARRIGA (a e b)
Deitada de costas, com as pernas flexionadas, pés próximos ao bumbum e mãos ao lado do corpo, suba o tronco até as pontas dos dedos alcançarem o calcanhar. Retorne o tronco, mas sem encostá-lo no chão, e suba de novo.

A PARTIR DA TERCEIRA SEMANA (c e d)
Na mesma posição da anterior (a), mas com as pernas estendidas rente ao solo, traga-as em direção ao tronco até formar 90º. Desça, segurando e sem deixar os pés encostarem no chão, e eleve-as novamente.

André Jackson

Programa para quatro semanas
PRIMEIRA (a e b) 3 séries de 20 repetições, sem peso
SEGUNDA (a e b) 3 séries de 30 repetições, sem peso
TERCEIRA (c e d) 4 séries de 15 repetições, sem peso
QUARTA (c e d) 4 séries de 20 repetições, sem peso

ADEUS PNEUZINHOS
Deitada de lado, mão (de cima) na nuca, perna de baixo apoiada no solo flexionada em 90º. Mantenha a de cima, também flexionada, mas com o pé inteiro no chão. Flexione o tronco até o limite (tente alcançar o cotovelo no joelho da perna de cima). Volte e faça do outro lado.

André Jackson

Programa para quatro semanas
PRIMEIRA (a e b) 3 séries de 15 repetições, sem peso
SEGUNDA (a e b) 3 séries de 20 repetições, sem peso
TERCEIRA (a e b) 4 séries de 25 repetições, sem peso
QUARTA (a e b) 4 séries de 25 repetições, sem peso

O sucesso do programa vai depender da sua força de vontade e de aliar uma reeducação alimentar e a prática de atividades aeróbicas ao treino

10 km nem é tão longe!

Finalmente me recuperei e consegui escrever!

Tenho que admitir: meus primeiros 10km não foram tão dramáticos quanto os 5km da TrackField. Lógico que não vou deixar de fazer o draminha básico…

Os primeiros dez foram no domingo passado, na 17ª Corrida do Fogo.

  • Menos drama 1: foi de noite, ou seja, nada se sol escaldante, asfalto quente…
  • Menos drama 2: foi no Eixão, ou seja, nada de subidas íngremes, descidas acentuadas…
  • Menos drama 3: Tinha posto de água por todo o percurso. Batia a sede, logo apareciam os menininhos do Batalhão Mirim dos Bombeiros com os copinhos na mão.

Mas correr é sempre uma surpresa. Na semana anterior, não tinha treinado nada. Meu joelho tinha inchado. Mas fui, firme e forte – e preparada para terminar em mais de 1 hora e meia.

A corrida…

Passei pelos primeiros 3 km em 20 min e já achando que ia morrer. Morrer de cansaço, de sede.

Veio a água… Fresquinha…

Não lembro da placa dos 4 km… nem dos 5 km. E ainda tinha muita gente correndo comigo. Eu pensava que, a essa altura, eu estaria só, correndo à luz do luar, tentando vencer a mim mesma. Que nada!! Tinha – muita!! – gente correndo comigo. Muita gente realmente tentando vencer a si mesmo. Outros tantos já desistindo, e alguns partindo para uma caminhada noturna. O destaque de tudo foi a Rainha do Fogo: uma senhora de seus 50 anos, toda de prateado, capa e cetro na mão, que passou por mim correndo, como se estivesse no auge dos 18. É… tô ficando velha…

No quilômetro 6 (sim! eu vi a placa), olhei para o relógio, 40 minutos. Uauuu! Mantendo o ritmo… Já não pensava na morte, mas que chegaria acabada, demolida, completamente exausta, já com o telefone do SAMU na mão.

O sétimo quilômetro passou e nem vi. Até porque, foi mais ou menos na altura da largada, onde tínhamos que passar, correr mais de dois quilômetros e voltar para – finalmente! – cruzar a linha de chegada. Foi por alí que um batalhão de Bombeiros do Gama ou da Samambaia passou por mim. Cantando, cantando… e eu tentando passar por eles e conseguir mais um copinho de água.

Placa dos 8, vejo do outro lado, já voltando, um rosto conhecido. A Sílvia. Pensei… não estou só. E não estava mesmo. Ao olhar para os lados, tinha gente junto comigo. Uns correndo ao lado para dar ritmo, outros tentando passar, outros que eu deixava para trás.

Os 9… Passei com pouco mais de 1 hora. Só faltava 1 km – que certamente não duraria uma hora – e eu tinha gás!!!

Agora vai… Melhor… foi!

Uns 200 metros da chegada apertei o passo e pensei: “1h10, não vou passar disso!”.

E não passei: 1h10s44!

Não morri. Não estava nem tão demolida, nem tão exausta. Não precisaria chamar o SAMU.

Só tinha aquela sensação gostosa de superar mais um limite.

Agora, rumo aos próximos 10 km.

ps.: o meu obrigada aos grandes apoiadores das minhas corridas: o treinador (Valeu, Marcel!) e meu namorado, que leva e trás (e que também já ganhou muitos beijinhos por isso!!).

largada.jpg

Largada: um empurra-empurra sempre

cfeu1.jpg

Para chegar em 1h10, tive que suar na chegada!

Do meu outro Blog